Nosso objetivo aqui é estabelecer alguns pontos básicos do ministério Chi Alpha para a prática do serviço cristão no campus. Procuramos despertar em todos nós uma identidade de ministério que se caracterize por cristãos universitários dispostos ao servir integralmente a Cristo em qualquer situação.

PORQUE ANUNCIAMOS JESUS?

I – Jesus salva (João 3.16)
II – Jesus cura (Mateus 4.23-24)
III – Jesus batiza com o Espírito Santo (Atos 1.8)
IV – Jesus breve voltará (Apocalipse 19.16, João 14.1,3)

VIDA FELIZ EM JESUS

Num mundo onde a depressão, a ansiedade, as síndromes de pânicos têm levado milhões de pessoas a viveram presas numa escuridão psicossomática, ser um autêntico cristão significa ser feliz de verdade. Ter uma vida sadia, com a força sobrenatural de Deus para enfrentar as lutas do dia-dia.

+ Santidade – Pecado = Felicidade

Ter um relacionamento pessoal com Jesus, buscar santidade, oração e ler a Bíblia diariamente.

Salmos 1.1: Como é feliz aquele que não segue o conselho dos ímpios, não imita a conduta dos pecadores, nem se assenta na roda dos zombadores!

João: 10:10: O ladrão vem apenas para furtar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente.

Mateus 6.9-13: Vocês, orem assim: ‘Pai nosso, que estás nos céus! Santificado seja o teu nome. Venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia. Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores. E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal, porque teu é o Reino, o poder e a glória para sempre. Amém’.

CINCO CHAMADOS

Como novo nascido em Cristo, você não está na universidade apenas para estudar e obter uma formação profissional. Você é tem pelos menos cinco chamados para exercer posições dadas pelo Senhor Jesus Cristo. Se somos verdadeiramente cristãos universitários, não podemos negligenciar o valioso chamado de Deus para sermos discipulador, mordomo, embaixador, missionário e guerreiro.

I – Discipulador (João 8.31) Biblicamente, os seguidores de Jesus são chamados de discípulos. Aqueles que estão aprendendo a ser semelhantes ao Mestre. Temos a missão de fazer discípulos (2.º Timóteo 2.2, Mateus 28.19). Fazer discípulo é multiplicar em outros a vida de Jesus que existe em nós. O entendimento, a visão e a intimidade com Cristo que há em nós se reproduz em uma outra pessoa. Assim é natural que haja um vínculo entre o discípulo e o discipulador, pois aquele reflete modo de vida de quem o discipula. Geralmente ele acaba imitando o modo de agir e de falar do discipulador. Todavia, a essência do discipulado não é multiplicar hábitos, mas transmitir a vida de Jesus para o discípulo.

II – Mordomo (Romanos 11:36, Mateus 25.29) Se tudo o que somos e temos pertencem a Deus, então devemos viver como bons mordomos, administrando bem o que é do Senhor. Assim somos mordomos de tudo que o Senhor colocou em nossa mão, em especial nossos talentos e dons.

III – Embaixador (2.º Coríntios 5.20) – Um embaixador é um represente oficial de um país ou reino. Nós somos embaixadores de Cristo neste mundo de pecado. Nossa forma de viver, nossa cosmovisão, nossas normas de conduta são de acordo com o Reino de Deus e não com o senso comum deste mundo. Nossa missão aqui é reconciliar o mundo com Deus. Somente o Cristão novo nascido pode reconciliar o pecador com Deus. Deus nos deu o Ministério da Reconciliação e também pôs em nós a Palavra da reconciliação, de sorte que somos embaixadores da parte de Cristo (2º Coríntios 5.18-20). A importância do trabalho que Deus nos confiou é tão grande que, biblicamente, é descrito como: a) um mandamento que o Senhor nos deu (Mateus 28.19, 20, Marcos 16.15 a 18); b) Uma obrigação de todo salvo (1º Coríntios 9.16); c) Um dever de todo crente (2º Timóteo 4.1,2); d) Um privilégio de cada salvo (Mateus 10.32); e) Uma responsabilidade de cada crente (1º Timóteo 2.4); f) Um desafio para o ganhador de almas (Salmo 126. 5 e 6); g) Uma dívida de todo crente (Romanos 1. 14 e 15); h) Um sinal de que somos salvos (João 4.39); i) Uma finalidade do batismo com o Espírito Santo (Atos 1.8); j) Uma condição para o crescimento do Reino de Deus (Romanos 10. 14 a 17).

IV – Missionário (Marcos 16.15) – Somos chamados para cumprir uma missão: anunciar o Evangelho em outras culturas e povos. O estudante cristão já se depara com outros mundos dentro da universidade onde há pessoas de tribos e estilos de vida diferentes. Os intercâmbios de alunos entre universidades e países oportuniza o cristão a evangelizar alunos de outras nacionalidades. Ao alcançar estrangeiros no campus podemos estar treinando missionários nativos pois ao voltar a seus países eles serão profissionais formados, mas também uma testemunha de Jesus. Além de se envolver na evangelização de pessoas de diferentes nacionalidades no campus, o cristão universitário deve ter um coração grato a Cristo e a disponibilidade de se tornar um fazedor de tendas usando sua profissão para entrar em nações e anunciar o evangelho.

V – Guerreiro (2.º Coríntios 10.4,5; Atos 26.18) – O Reino de Deus está em permanente conflito com o reino das trevas. Este promove ataques diversos ao Reino de Deus através de filosofias anticristãs e ações para impedir a pregação do Evangelho, visando manter as pessoas presas nas trevas. Deus nos chamou para, com seu Poder, abrir os olhos espirituais das pessoas, os converter das trevas para a luz e do poder de Satanás à Deus. O guerreiro deve estar pronto para em qualquer lance imprevisto expulsar demônios, curar enfermos e operar maravilhas na unção do Espírito Santo. Além de interferir espiritualmente na fonte de produção de conhecimento travando intensa batalha espiritual no nível intelectual, pois as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas; destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo. (2 Coríntios 10.4,5)